nav-left cat-right
cat-right

As cores do ano de 2017

Um lindo pot-pourri de imagens com "Arquipélago", a cor do ano segundo a Eucatex

Um lindo pot-pourri de imagens com “Arquipélago“, a cor do ano segundo a Eucatex.

Fui ler o post sobre “as cores do ano” passado e achei bem interessante…  Parece que tudo, de certa forma, já confluía para o tal do verde escolhido pela internacional e conceituadíssima Pantone® como a ‘cor do ano’ de 2017!  Claro que isso é praticamente impossível, qualquer um que conheça um pouquinho sobre o que contribui para que uma determinada cor seja eleita como ‘cor do ano’ dentro de uma empresa de tendências como esta sabe disso. Mas vocês podem ler o post e pensar: “Quer dizer que nós aqui, brasileirinhos da gema, ditamos o que seria ‘a cor de 2017’ para a gigante e toda poderosa Pantone®?” Não, não é bem isso, mas lendo meu texto até parece que foi o que aconteceu…

Individualismo compartilhado“: paleta de cores quentes harmonizadas por “Mergulho Sereno”, cor do ano apontada pela Coral. Clique para ver maior.

 

Ora, nada menos que três fabricantes de tintas, com um certo peso em nosso mercado, apostaram em tons de verde como cor do ano em 2016: Suvinil, Eucatex e Lukscolor! Só isso, já dá o que pensar, não é? Mas, para não me estender no que pode se tornar uma discussão infinita – e meio tosca, é verdade  – só digo a vocês que não é imitação da Pantone®, nem nós ditamos a regra para os americanos: tratam-se das famosas tendências. As empresas brasileiras, já em 2016, captaram que o verde “estava nas cabeças, estava nos corações”. E por isso apostaram em uma ou outra tonalidade – tanto é que a Suvinil nem aponta mais uma única “cor do ano”: já faz aposta em famílias de cores, o que é mais inteligente mesmo. Então, concluído, tá? Só comecei por aí para abrir um leque vasto de elucubrações para vocês que gostam de pensar, como eu, no quanto que somos influenciados e influenciadores – e também no quanto que pensar em estabelecer uma única tonalidade para uso em determinado período de tempo é bobo… 

Os diversos tons de cinza (sem paralelo com o filme) e seus parceiros, os tons de rosa: estes sim, minhas "cores do ano" desde 2015...

Os diversos tons de cinza (sem paralelo com o filme) e seus parceiros, os tons de rosa: estes sim, minhas “cores do ano” desde 2015…

Se eu fosse convidada a estabelecer uma “cor do ano” eu diria: cinza. E nem seria para 2017, mas desde 2015 até… sei lá quando. É a tal da “onda do cimento” que tomou conta de profissionais e amantes da decoração e do design e que não muda já há um certo tempo. Tanto é, que o rosa escolhido pela Pantone® no ano passado como cor do ano casou direitinho com os mais de 150 mil tons de cinza (que vão do preto ao cinza quase branco) de diversos ambientes super charmosos que vimos nas revistas no ano passado e ainda vemos até hoje. E o rosa está quase virando “o novo preto”: pode olhar para onde quiser que tem mil tons dele pra todo lado, até recobrindo janelas velhuscas de antigos sobrados (e olha que fica bonito, viu?  )

O “Greenery“, aposta da norte americana Pantone®, já aplicado a inúmeros produtos.

 

Mas vamos a 2017: fiz um preview no post anterior sobre o lindo tom “Greenery” escolhido pela Pantone® para cor do ano e super assino embaixo. E por quê? Por que “verde é vida, é luz e calor, é sol e alegria” e, se não parar, daqui a pouco vou estar declamando poema que mamãe me ensinou quando criança para a chegada da primavera no jardim de infância…  Adoro verde. Adoro mesmo e um dos motivos é puramente profissional: ele combina fácil com tudo. Bote um verde na base de sua decoração e veja tudo fluir com a maior facilidade. Claro, se você escolher o tom de verde da Mangueira (me refiro à escola de samba aqui do Rio), você já começa “fechando” seu leque de opções e não abrindo!  Mas mesmo aquele tom da folha, escuro pacas, dá uma bela base para tantas coisas…

Segundo a empresa, quanto mais submersos na vida moderna, maior nosso desejo de mergulhar na beleza do mundo natural. O verde vem sendo procurado, é um tom onipresente em todo o mundo. E disseram mais: “Greenery‘ é uma seleção simbólica; Um instantâneo de cor do que vemos acontecendo em nossa cultura global que serve como uma expressão de um humor e uma atitude“. Bonito isso…

Meio soturna a escolha da norte americana benjamin moore, concordam? Clique para ver maior.

Meio soturna a escolha da norte americana Benjamin Moore, concordam? Clique para ver maior.

Fui lá conferir a Benjamin Moore  –  que me surpreendeu muito escolhendo o branco para 2016 – e me surpreendi de novo: “Shadow” é um violeta “das sombras” mesmo, algo triste, escurecido, que me lembrou muito a própria definição da psicologia das cores para esta cor. Algo ligado ao lado mais difícil da psiquê humana, influenciadora de emoções e humores, ligada à intuição e à espiritualidade, à sabedoria e a dor, e até a bruxaria. Brrr…  Como na cultura norte americana os significados podem ser totalmente diferentes, deixei de lado esta “tendência” e fiquei por aqui mesmo.

O lindíssimo tom de amarelo queimado "Allegoria", aposta da Lukscolor para 2017

O lindíssimo tom de amarelo queimado “Allegoria“, aposta da Lukscolor para 2017.

Na Lukscolor o destaque é o amarelo “Allegoria“, um belo tom de pôr do sol que põe “pra cima” qualquer espaço. A empresa agora faz “previsões” de dois em dois anos e incorporou as tendências do ano passado com as desse ano (biênio 2016-2017) num bom livrinho para você acompanhar (clique aqui e baixe o seu). Estão lá os verdes do ano passado, mas há um certo destaque para os amarelos. Logo no texto de apresentação eles colocam que o destaque é “um tom de amarelo queimado que ilumina toda a paleta apresentada“. Gostei muito da nova categoria “Neutros Quentes” e “Neutros Frios” e também das “Sugestões de Combinações“, fáceis para quem quer criar um decór sozinho.

Assista abaixo a um clip da Eucatex sobre a escolha do tom “Arquipélago”

A Eucatex quase concorda com a Coral: seu azul “Arquipélago” escolhido por um conjunto de profissionais de áreas criativas, além de muito belo, pode até ser dito que foi uma “evolução” do tom azul da Pantone®, também apontado no ano passado como ‘cor do ano’ (foram duas cores, lembrem-se). Mas recordem o que eu disse lá do início do post: em tendências tudo é possível. Claro que pode ter acontecido isso, pode tudo, somos humanos, as mesmas pessoas interagindo aqui, ali e acolá. Então, o tom do ano passado de outra empresa influencia, bem como a quase coincidência da escolha de outros pesquisadores neste ano, etc. e tal. E daí? Nada, deu o azul da Eucatex e pronto. Preciso dizer que eles também já apresentam famílias de cores, com direito a folder para download e também não pensam que apenas o “Arquipélago” é o que vale para 2017, ok?

Toda a beleza do azul acinzentado de mergulho sereno a cor do ano para o color futures da coral.

Toda a beleza do tom de azul acinzentado de “Mergulho Sereno” a cor do ano para o Color Futures da Coral Tintas.

E a Coral Tintas escolheu o azul “Mergulho Sereno“, que me pareceu profundo demais para ser sereno…  Explico: a princípio o tom me pareceu muito intenso, e eu me perguntei: “como pode serenidade se a cor é intensa“? Mas aí, olha daqui, compara dali, deu para perceber que ele é bastante calminho mesmo: é um azul acinzentado muito “na dele”, que não fará mal algum se você pintar seu quarto de dormir com ele. Pode te deixar com mais sono, se você quer minha opinião (e olha que meu quarto é azul, viu?). Achei-o realmente belo e muito, muito fácil de combinar com diversos outros tons e cores. A empresa também tem uma excelente base de combinações e propõe famílias de cores sensacionais, dependendo do caminho que você quer seguir: do mais tranquilo – indicado para pessoas e lugares ‘elétricos’, que precisem ficar ‘calminhos’ – até lugares e pessoas que são calmos demais e que precisam de uma boa injeção de ânimo todo dia, toda hora (no início desse post tem um exemplo). Eu gosto muito da forma como eles apresentam e fundamentam seus estudos, portanto, recomendo uma leitura atenta do material disponível neste link do site da empresa.

As cores do substancial da suvinil com cortina de teatro ao fundo: cores de nossas origens, segundo a marca.

As cores da tendência “Substancial” da Suvinil com o tom “Cortina de Teatro” ao fundo: cores de nossas origens, segundo a marca.

Finalmente, a Suvinil continuou com sua bela proposta de determinar as tendências em cores para o ano e não apenas uma só cor. Sim, eles escolheram um rosa velho muito bonito que, igualmente, podemos dizer que veio do rosinha Pantone® de 2016. Mas, na mesma linha do ano passado, a empresa continuou explorando o tema LUZ como o principal elemento e o dividiu nas mesmas três famílias do ano passado: “Substancial“, “Complementar” e “Dinâmico“. Eles explicam que “As três tendências trabalhadas interpretam desejos latentes de pessoas das mais diversas personalidades em cores e sensações que podem ser aplicadas no refúgio mais precioso de cada um: o lar. O Substancial traz a busca pelas raízes, pela origem, pelo retorno à terra, pelo respeito e proximidade com a natureza em um mundo cada vez mais fluido e digital.(…) Já o tema Dinâmico traz a figura do viajante, do movimento, do som, do jovem e do humor. (…) e o Complementar: a velocidade diminui e os sons se acalmam. Paisagem silenciosa que inspira harmonia. Quando o movimento diminui, criam-se espaços para perceber o outro. A casa torna-se um oásis, com tons claros, nudes surpreendentes que trazem segurança, aconchego e liberdade“.

O belo rosa velho de "Cortina de Teatro" em mais uma ambientação.

O belo rosa velho de “Cortina de Teatro” em mais uma ambientação.

A cor do ano da Suvinil – “Cortina de teatro” – sai da primeira tendência, “Substancial“, a que “busca a nossa essência“. Eu curti o tom, mas achei meio antiquado, confesso. Mas acho que ele combina com muitas, muitas coisas e fica realmente bonito como base para uma decoração elegante, pois é bem estiloso. E enfim, não é para ser usado sozinho, bem como nenhuma das “cores do ano” anteriores. É para você olhar, se inspirar, pensar, imaginar, sonhar… Bolar um espaço com cores que combinem com você, principalmente, com seus gostos e preferências pessoais, que se harmonizem entre si e que não fiquem nem calmas demais, nem elétricas demais, nem frias demais, nem quentes demais. Equilíbrio: é o que todos procuramos. O resto é orientação, moda, ideia, propaganda. Leia tudo, saiba de tudo, mas faça o que te agrade, de verdade.

Nota: eu já havia falado da “cor do ano” da Eucatex em novembro último. Veja aqui.

Related Posts with Thumbnails
Share

Deixe um Comentário