nav-left cat-right
cat-right

As tendências da Morar Mais Rio 2017

Uma das pinturas especiais mais bonitas de toda mostra: na "Sala Suburbano Coração" de Janete Oldemburg.

Uma das pinturas especiais mais bonitas de toda mostra está na “Sala Suburbano Coração” de Janete Oldemburg: tendência das mais fortes da Morar Mais Rio 2017.

 

Em um só espaço, duas tendências: no "Escritório do Casal Amor.com" de Dayane Ribeiro e Gabriella Dorville, pinturas especiais nas paredes e rebaixo em teto feito com bambu. Repare que o também o tapete no piso chama à brincadeira com as cores nas paredes.

Em um só espaço, duas tendências: no “Escritório do Casal Amor.com” de Dayane Ribeiro e Gabriella Dorville, pinturas especiais nas paredes e rebaixo em teto feito com bambu. Repare que também o tapete chama à brincadeira com as cores nas paredes.

Bem, como disse no post anterior, acho que a(s) maior(es) qualidade(s) da Morar Mais deste ano foi(foram) o fato de ser uma das mais belas e organizadas edições da mostra, talvez gerada pelo local onde foi montada. Desse modo creio que as tendências que surgiram também têm relação com isso, pois foi possível observar com mais vagar os detalhes que cada profissional trabalharam em seus espaços. A organização do evento sugeriu algumas grandes tendências que ficaram mais evidentes – teve até consultoria para os profissionais “se encontrarem” melhor dentro delas – e eu começo por aí pois foi verdade e, de fato, elas são mais fortes e encantadoras.

Urban Jungle

Um banho revigorante da banheira freestanding rodeada por plantas de várias espécies e portes na "Suíte Do Casal Motociclista" de Isve Campos.

Um banho revigorante na banheira ‘freestanding‘ rodeada por plantas de várias espécies e portes na “Suíte Do Casal Motociclista” de Isve Campos.

Segundo release trata-se da “Selva Urbana”, ou seja, trazer a natureza para bem pertinho, misturada, imiscuída mesmo com as coisas do nosso dia a dia. Daí vale usar plantas em qualquer lugar da casa, incluindo cozinhas e banheiros e inclusive em tetos e pisos.  Se você está achando estranho, não ache não, pois existem casas bem integradas ao natural – nem digo “à natureza”, para não ficar no lugar comum – em que é normal sair do quarto, pisar na areia da praia e dali já dar de cara com um coqueiro, uma planta de restinga, etc. O mesmo vale para o campo, onde o quintal pode estar juntinho do quarto e o pé de manga a um passo da porta, o que de fato era minha vivência em casa de minha avó, no interior de Minas Gerais, então… A grande diferença é que você estar num grande centro, numa grande cidade e ao mesmo tempo parecer estar no meio da floresta é bem diferente, não é? Portanto, há que se preparar para não molhar demais pisos e paredes (atenção ao vizinho e a possibilidade de infiltração…  ), mas se acostumar a fartar-se de se misturar às plantas das mais variadas espécies, alturas, formatos, cheiros e em vasta quantidade: é um exagero sim, mas é muito bem vindo. Vasos e cachepôs não combinam entre si e se espalham por todos os lados e… acostume-se aos insetos, pois eles também estarão por ali curtindo o mundo vegetal…

Pinturas especiais

A ótima pintura especial pensada por Cyntia Sabat para sua "Sala multifuncional da familia" é um bom exemplo de como este recurso pode ser bem utilizado em projetos 'on a budget'.

A ótima pintura especial pensada por Cyntia Sabat para sua “Sala Multifuncional da Família” é um bom exemplo de como este recurso pode ser bem utilizado em projetos ‘on a budget‘.

Esta eu realmente gostaria de nem considerar como uma tendência, mas um artifício para “decoração em conta”. Na verdade um bom profissional sabe que este é um recurso que se tem quando se trabalha “on a budget“, ou seja, com o orçamento restrito. E, ao que parece, neste ano o orçamento apertou na mostra – o que é normal para o que estamos vivendo em termos de economia no país…  – e vários participantes se lembraram das tais “pinturas especiais”. Mas atenção: elas nada têm a ver com aquela onda de uns anos atrás em que se contratavam profissionais que “faziam pinturas especiais” ou quando se adquiria preparados das fábricas para fazer “pinturas especiais”. Nesta época cursos proliferaram, mas eram pinturas diferentes, menos decorativas e mais padronizadas. Quem não se lembra dos efeitos “patinado”, “satinê/satinado”, “espatulado”, etc. e tal.? Ao lado delas conviviam também as texturas, que cansaram a gente um pouco, não foi?  Agora, outra “onda” dessas, só daqui há alguns anos…
Mas voltando: quando você decide pintar sua parede de preto e branco, está fazendo uma pintura especial, sabia? Listras em preto e branco ou em quaisquer outras cores que você escolher. Se sua parede está pintada em branco e você for colando fitas de mesma espessura ou de espessura diferente e em cada uma delas for pintando uma cor, ali já está uma “parede pintada de forma especial”. Essencialmente é isto o que se chama de “pintura especial” e daí ao infinito e além! Quem tem um dom artístico – e quem não tem?  – pode imaginar o que desejar sobre uma parede e basta re-a-li-zar. Se seu irmão, primo, tia, vizinho ou amigo sabe fazer um grafitti, sabe desenhar e pintar flores muito bem, ou a família gostaria de arregaçar as mangas e fazer um mural no hall de entrada ou no corredor principal, cada um com sua interpretação, por que não? A matéria prima são as tintas, os pincéis, brochas, removedores, escadas, se for o caso, e o que cada um desejar, e ali estão as paredes – e também os tetos! – para realizar o intento. E foi o que se viu na mostra deste ano: com criatividade e bom gosto surgiram degradées, paredes bicolores, estampas, ilusões de ótica e daí por diante. Uma ótima!

Reuso de portas de enrolar

Fernanda Dorta reutilizou portas de enrolar como revestimento em seu "Apartamento Contemporâneo".

Fernanda Dorta reutilizou portas de enrolar como revestimento em seu “Apartamento Contemporâneo“.

Como estamos em época de reaproveitar o que for possível e a pegada do ano é a “industrial” o material da vez é a porta de enrolar. Como são grandes e muitas vezes se deterioram em partes, deixando outras intactas, permitem a confecção de muitos itens. Pois eu vi de fundo de porta retrato a parede revestida em porta de enrolar. E tudo muito bonito e bem feito! Vi mobiliário – banquinhos e mesinhas de apoio – feitas com elas, partes usadas como fechamento para pequenos armários, como arte – como se fossem quadros ou paineis, e em objetaria de um modo geral. Claro, seu valor não é muito baixo pois a manipulação exige um serralheiro, e isto vai se tornando cada vez mais especializado… mas vale a pena pensar no assunto se você quer algo de impacto e que dure bastante!

Revestindo em parte

No "Estar com Cozinha Integrada da Designer Francesa", Regina e Bianca Prior e Hannah Brauer entraram na onda do "revestir em parte" utilizando uma cerâmica das mais bonitas. Fica um charme!

No “Estar com Cozinha Integrada da Designer Francesa“, Regina e Bianca Prior e Hannah Brauer entraram na onda do “revestir em parte” utilizando uma cerâmica das mais bonitas. Fica um charme!

Utilizado como uma ‘bossa’ que se deseja dar em determinado ponto de um ambiente, há muitos revestimentos aplicados em partes de paredes. Uma cerâmica diferente (e exclusiva e cara) aqui, uma pastilha ali, tudo é bem vindo em salas, quartos, banheiros, qualquer lugar. O que antes se fazia apenas em áreas molhadas para resguardar as paredes da água mesmo, agora se faz por puro deleite. Por isso a escolha pode recair sobre um revestimento de alto custo.

A volta dos rústicos

Não apenas bambu, mas também esteiras de palha e alguma treliças em madeira apareceram em tetos e paredes da Morar Mais neste ano. Aqui, rebaixo em bambuzinho pintado em branco na "Varanda da Casa", por Luciana Lima Malensek.

Não apenas bambu, mas também esteiras de palha e alguma treliças em madeira apareceram em tetos e paredes da Morar Mais neste ano. Aqui, rebaixo em bambuzinho pintado em branco na “Varanda da Casa“, por Luciana Lima Malensek. Clique para ver maior.

Além das pinturas especiais, vi muito bambu em tetos e paredes. Os diversos rebaixos de teto que foram necessários executar em razão das instalações de ar condicionado central do espaço onde a mostra foi realizada contribuiu para que muito gesso branco fosse colocado e muita gente sentiu falta de algo neste “oceano branco” e muitas vezes baixo. Houve profissionais que ousaram com outros materiais, mas grande parte sapecou aqui e ali o bambu mesmo. Teve rebaixo todo feito no material e acho que o fator custo influenciou. E como também o vi em paredes, fazendo as vezes de base para placas de plantas, ouso dizer que foi uma tendência. Na verdade estou quase apostando que foi uma “solução”, que é quando se precisa de algo para “fechar um espaço” e o orçamento teima em apontar para o fim das reservas… por outro lado, há momentos em que sim, os revestimentos rústicos são muito eficazes. Então, não se esqueça deles! O pessoal da Morar Mais usou bastante neste ano.

Ambientes integrados

Em menos de 25 metros quadrados o "Estudio delas conta com cozinha (na parte atras da imagem), estar com sofá cama, canto de estudo/trabalho, mini closet, banheiro e salinha de jantar. Um feito de Camila Mesquita cada vez mais comum nos dias que correm. Clique para ver maior.

Em menos de 25 m² o “Estudio delas” conta com cozinha (na parte da imagem que não se vê), estar com sofá cama, canto de estudo/trabalho, mini closet, banheiro e saleta de jantar. Um feito de Camila Mesquita cada vez mais comum nos dias que correm. Clique para ver maior.

Em função da proposta da mostra e da vida que vivemos, a esmagadora maioria dos ambientes nunca é “o quarto do casal” ou “a sala da moça” apenas, mas sim “o apartamento da executiva” ou “o bar da família”: ou seja há que se morar justo, apertado mesmo, não há espaço vasto nem vago para ninguém e é bom que se acostume a viver de forma mais despojada, dividindo com outros, sem grandes apegos a este MEU quarto ou MEU espaço. E portanto há moveis flexíveis, compactos, espaços que cabem três, quatro pessoas, onde se convive, onde se compartilha da refeição a TV, ao espaço externo, a uma bebida, a vida enfim. Esta é a maior transformação que vemos nas grandes cidades e que temos que nos adaptar ou… fugir?  Seria a solução? Fato é que Morar Mais nos mostrou que é possível e viável viver num exíguo 24 m² ou ter uma sala da família com apenas 20 m² e que para tanto é preciso um bom projeto, preparo e uma dose de desapego!

Nota: Hoje é o penúltimo dia da mostra mas ainda tem chance, até amanhã para quem quiser arrematar algum item a precinho: é a tradicional Liquidação na última semana de visitação da Morar Mais por menos quando móveis, estofados, luminárias, soluções de marcenaria modulada, armários de quarto e cozinha, tapetes, persianas, cortinas, almofadas e até roupa de cama chegam até a 70% de desconto. Todos os produtos em liquidação estarão identificados com uma TAG informando o DE/POR de cada peça. Mas lembre-se: as vendas dos produtos não acontecem no local. O interessado em arrematar alguma peça deve preencher uma ficha de reserva e deixá-la com a recepcionista do espaço. Após o desmonte da mostra, a loja que forneceu o produto entrará em contato para acertar a forma de pagamento.

Related Posts with Thumbnails
Share

Deixe um Comentário